A tristeza anda por perto. Ela deve estar pela vizinhança. Daqui a pouco ela chega por aqui.

Eu a senti ontem e a senti hoje novamente.

Eu tenho medo da tristeza. Ela exerce uma força sobre mim, me segura na cama e cria barreiras para eu não ver o mundo.

Às vezes, eu a aceito e a chamo para conversar. Olho para ela, a encaro e a abraço. Sei que há momentos, quando ela me consola e preciso dela, desse sentimento, bem junto do peito, bem junto de mim.

Mas é que a tristeza nem sempre vem sozinha. Ela gosta de vir acompanhada da solidão e do sofrimento. Há épocas em que eles são inseparáveis. Eu não gosto muito deles. Faço sala e me disfarço cansaço para que eles, a Solidão e o Sofrimento, possam ir embora.

Eu posso ficar com a tristeza, com ela eu não me importo. Posso sair com ela, ver o sol ou saborear algo delicioso. É difícil fazer essas coisas quando o Sofrimento.

O Sofrimento parece parece gostar de me empurrar para baixo, tirar minhas energias. Gosta de me ver no canto escuro.

É nesse momento, quando estou sozinhos que a Solidão se aproxima. Ela fica rondando até me pegar desprevenido, dizer que não há ninguém ao meu lado. Que toda essa dor é para eu aguentar sozinho, as únicas presenças serão de dor, sofrimento e solidão.

Quando as forças se vão, a vida não parece fazer sentido; quando o sofrimento toma conta, beirando o desespero e sinto-me desamparado, sozinho, a Tristeza invade a porta.

Olha para a Solidão e para o Sofrimento e manda que eles se afastem.

A Tristeza me abraça, me acolhe em seu peito e me conforta. Fecho os olhos e choro. As lágrimas escorrem pelo rosto, enquanto que no peito vai aliviando aquela dor.

Sei que ainda estou triste, chorando, mas ao abrir os olhos, espio a solidão e o sofrimento .

Então pergunto-me se foi a Tristeza que os convidou para a festa ou se ela veio porque eles vieram. Enquanto, não me encontro a resposta, abraço novamente a ela, como um filho na mãe.

O medo se esvai, aceito isso que sinto e como o rio que segue o seu curso para o mar, eu sigo a minha jornada pela vida.

Subscribe

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

 

RECENTES

MaiS LIDAS

Carlos Carreiro

Carlos Carreiro

Related Posts

Primavera
crônicas
Carlos Carreiro

É primavera

Olhei o calendário é percebi que já era setembro. Meio que automático me veio a mente a melhoria da música Primavera com o Tim Maia

Read More »
boletim
Carlos Carreiro

Boletim 23 – II

O boletim 23, edição 2, está saindo com um pequeno atraso, mas como diz o ditado antes tarde do que nunca. Tive alguns contratempos e

Read More »
visita da tristeza
crônicas
Carlos Carreiro

Tristeza

A tristeza anda por perto. Ela deve estar pela vizinhança. Daqui a pouco ela chega por aqui. Eu a senti ontem e a senti hoje

Read More »
boletim
Carlos Carreiro

boletim 1

introdução já faz algum tempo que tenho a ideia e vontade de escrever algo sobre coisas que chamaram a minha atenção durante a semana. alguma

Read More »
Primavera
crônicas
Carlos Carreiro

É primavera

Olhei o calendário é percebi que já era setembro. Meio que automático me veio a mente a melhoria da música Primavera com o Tim Maia

Leia o texto »
visita da tristeza
crônicas
Carlos Carreiro

Tristeza

A tristeza anda por perto. Ela deve estar pela vizinhança. Daqui a pouco ela chega por aqui. Eu a senti ontem e a senti hoje

Leia o texto »
boletim
Carlos Carreiro

boletim 1

introdução já faz algum tempo que tenho a ideia e vontade de escrever algo sobre coisas que chamaram a minha atenção durante a semana. alguma

Leia o texto »
Despedida
crônicas
Carlos Carreiro

Despedida

Despedir talvez seja um dos momentos mais difíceis que precisamos aprender a lidar em nossas vidas.  Não penso apenas nas grandes e dolorosas despedidas, como

Leia o texto »